Cidades inteligentes e humanas: ​Ruas completas dão vida e segurança aos espaços urbanos

Cidades inteligentes e humanas: ​Ruas completas dão vida e segurança aos espaços urbanos



Elas são projetadas para permitir acessos seguros a pedestres, ciclistas, motoristas e usuários do transporte coletivo de forma democrática

As vias urbanas são parte vital das cidades e proporcionam a oportunidade de convivência entre todos que nela passam. Todas as pessoas, independentemente da idade, habilidade e renda devem ter acesso seguro, confortável e conveniente aos seus destinos, seja caminhando, dirigindo, pedalando ou utilizando o transporte coletivo. Mas a maioria das vias são projetadas apenas para a conveniência dos carros, transmitindo a informação para os motoristas de que o espaço é exclusivamente para eles.

Ruas completas são projetadas para permitir esse acesso seguro a todos os usuários de forma democrática. Pedestres, ciclistas, motoristas e usuários do transporte coletivo podem circular com segurança ao longo de uma rua completa. O conceito representa uma mudança no paradigma tradicional de desenho de vias urbanas.

Existem muitos elementos que podem tornar uma rua completa. Não há uma receita única e cada projeto evolui do processo de avaliação de uma série de fatores que influenciam no desenho final da rua. Projetar ruas completas requer equilibrar as necessidades dos usuários e enfatizar os elementos de maior prioridade, pois muitas vezes a largura da rua é insuficiente para acomodar faixas dedicadas ao tráfego de cada um dos usuários.

Algumas estratégias que podem ser utilizadas no projeto de uma rua completa são: 

Estreitamento de faixas dedicadas ao tráfego de carros.
Calçadas que confiram conforto e segurança aos pedestres.
Infraestrutura para bicicletas.
Instalações de transporte coletivo bem projetadas.
Faixas de travessias que proporcionem oportunidades frequentes para o cruzamento de vias.
Facilidades para pessoas com deficiência, idosos e crianças.
Extensões de meio-fio que diminuam a distância de travessia.
Árvores e mobiliário urbano.
Projetos seguros de interseções e redução dos raios de giro.
Sinalização clara para todos os usuários.
Iluminação.
Tratamento do pavimento.




Existem muitas razões para que a cidade adote o conceito de ruas completes, dentre elas o estímulo à economia local e a revitalização urbana. Mas o argumento da segurança é o que geralmente se sobrepõe aos outros. Para que o conceito traga benefícios para toda a cidade, é necessário desenvolver uma política que inclua ruas completas no padrão de desenho das vias. Políticas de Ruas Completas formalizam a intenção da cidade de planejar, desenhar e manter ruas seguras para todos os usuários. Essas políticas orientam os planejadores a desenvolverem projetos consistentes e construir vias acomodando todos os usuários.

Um exemplo internacional comprova os benefícios de investir em ruas completas. Nos Estados Unidos, a Edgewater Drive, na cidade de Orlando, é uma referência nacional segundo a Coalizão Smart Growth America National Complete Streets. A via foi reformada de forma que as duas pistas que haviam em cada sentido fossem reduzidas a uma para cada sentido. As duas vias do meio foram transformadas em pistas para conversões a esquerda e em ciclovias.  

O número de acidentes de trânsito teve uma redução de 40%, os feridos em colisões diminuíram em 71%. Esses números são ainda mais expressivos quando atentamos ao fato de que o trânsito no local sofreu uma redução de apenas 12%, enquanto o número de bicicletas aumentou em 30% e de pedestres em 23%. A explicação para isso é a velocidade reduzida do local e também a própria presença de mais pessoas e ciclistas, o que faz os motoristas trafegarem com mais atenção e cuidado. Além disso, o local registrou 77 novos negócios sendo abertos e 560 novos postos de trabalho desde 2008. 


Algumas cidades brasileiras também já construíram ruas completas e dão os primeiros exemplos do conceito no país. A avenida Santos Dumont, em Belo Horizonte, por exemplo, foi reconstruída a partir da implantação do sistema de BRT MOVE. Hoje, é um dos símbolos da capital mineira quando o assunto é mobilidade urbana, já que dá prioridade ao transporte coletivo, à bicicleta e aos pedestres, garantindo a acessibilidade de todos os usuários.  A famosa rua XV de Novembro, em Curitiba (à esquerda), também é um modelo de rua completa. Hoje um dos pontos turísticos e culturais da cidade, o local dá espaço ao “calçadão da Rua das Flores”, que desde a inauguração, em 1972, oferece circulação exclusiva de pedestres.

Mas o potencial de ampliação do número de ruas completas no Brasil ainda é muito grande. A recém lançada Rede Nacional para a Mobilidade de Baixo Carbono irá promover a disseminação do conceito através da elaboração de projetos piloto apoiados pelo WRI Brasil. A Rede, coordenada pelo WRI Brasil, em parceria com a Frente Nacional de Prefeitos e apoio do Instituto Clima e Sociedade (ICS), conta com dez cidades pré-selecionadas: Niterói, Porto Alegre, João Pessoa, Campinas, Joinville, Salvador, São Paulo, Juiz de Fora, Recife e Fortaleza, além do Distrito Federal.

Fonte: WRI Brasil





Primeira universidade sem professores é inaugurada no Vale do Silício

Primeira universidade sem professores é inaugurada no Vale do Silício

Curitiba é escolhida capital latina das cidades inteligentes

Curitiba é escolhida capital latina das cidades inteligentes

Há um apetite no Brasil para inovação, diz sócio de maior aceleradora do mundo

Há um apetite no Brasil para inovação, diz sócio de maior aceleradora do mundo

Existem 1195 versões de criptomoedas no mundo: conheça as principais

Existem 1195 versões de criptomoedas no mundo: conheça as principais

Nubank anuncia lançamento de conta-corrente: a NuConta

Nubank anuncia lançamento de conta-corrente: a NuConta

A tecnologia vai permitir o Walmart economizar milhões eliminando caixas

A tecnologia vai permitir o Walmart economizar milhões eliminando caixas

O Shopping Center tradicional está para morrer (e vai nascer algo no lugar)

O Shopping Center tradicional está para morrer (e vai nascer algo no lugar)

Mais um exit no Brasil: Linx compra startup ShopBack por R$ 39 milhões

Mais um exit no Brasil: Linx compra startup ShopBack por R$ 39 milhões

60% dos jovens estão aprendendo profissões que vão deixar de existir

60% dos jovens estão aprendendo profissões que vão deixar de existir

13 startups que estão mudando o varejo no Brasil

13 startups que estão mudando o varejo no Brasil



Paginas ( 1 / 41 ) Próxima