​Smartcity III: O profissional do setor

​Smartcity III: O profissional do setor



Os projetos de Smartcities são uma tendência crescente no cenário internacional e nacional. Ainda assim, existem diversas dúvidas em relação a natureza desses projetos e aos órgãos implicados, bem como aos profissionais que atuam no setor.

Alguns centros de formação no Brasil já oferecem instrução na área, porém, apesar da excelente qualificação dos professores, poucos são os que realmente possuem experiência profissional ou empírica, refletindo novamente as próprias dúvidas que geram os projetos de Smartcity.

Inovação, tecnologia e política são os setores nos quais os centros acadêmicos concentram sua oferta formativa, o que acaba limitando todo o potencial da área e gera uma especialização excessiva e perniciosa, já que, mesmo sendo importante contar com profissionais qualificados para a gestão desses projetos, os mesmos não podem ser limitados a apenas algumas áreas.

É vital compreender que o projeto de uma cidade inteligente envolve a todos os profissionais que atuam nas dinâmicas internas e intrínsecas da cidade, pois é dessa interação entre os diferentes atores presentes no espaço urbano que surge a inteligência e conhecimento para promover mudanças reais e obter resultados. De forma que é preciso separar a figura do especialista ou gestor de projetos de Smartcity dos demais profissionais que participam ativamente dos projetos Smart e que são de outras áreas.

Um médico pode estar envolvido em um projeto de Smartcity da mesma forma que um advogado ou um funcionário público, pois todos formam parte da dinâmica da cidade e todos podem contribuir para a implementação de novos processos, desenvolver novas soluções, gerar sinergia com outras áreas, gerar inteligência. 

Os setores nos quais se desenvolvem as ações dos projetos de Smartcity (E-government, E-Health, inovação, meio ambiente, energias renováveis, mobilidade etc.) contemplam essa multidisciplinaridade e dependem da mesma, de modo que todo profissional pode atuar em um projeto de Smartcity.

No caso daqueles que desejam atuar na gestão ou como especialista em projetos de Smartcity é fundamental reiterar a necessidade de uma visão global, multidisciplinar e integradora, além da capacidade de planejamento a longo prazo.

Mais do que formação, o profissional deve compreender as dinâmicas que existem na cidade, suas interações, reconhecer seu potencial, seus desafios, deve possuir ferramentas capazes de lhe colocar em contato com a inteligência gerada pelos atores e fatores próprios da cidade.

Cursos são importantes para lhe oferecer formação teórica sobre o assunto, além de lhe proporcionar ferramentas e metodologias científicas de análises quantitativas e qualitativas. Porém, a visão do implicado em relação a sua cidade e suas dinâmicas e processos é um fator chave nessa transformação derivada dos projetos de Smartcity, já que da mesma depende a diferenciação entre uma intervenção isolada e uma dinâmica inteligente que irá impactar em toda a cidade.


O profissional interessado em projetos de Smartcity deve conhecer vários fatores, a citar: conhecer bem a economia da região analisada, suas dinâmicas (social, política, cultural), fatores externos e internos que impactam na mesma, dentre vários. Dessa forma, ele pode desenvolver a intervenção indicada, a qual pode ser um projeto de startup, uma parceria pública privada, um curso de formação, a criação de um cluster das empresas locais, a inovação de uma tramitação pública, a gestão de uma política pública ou de um projeto privado etc. Tudo depende do nível de participação e da área de atuação do mesmo.

Caso seja um gestor, seu papel será justamente o de organizar, desenvolver e fomentar esses fluxos inovadores que existem ou que podem vir a existir.

Ao contrário do que muitos acreditam, os projetos de Smartcity não são projetos unicamente focados na política, inovação, tecnologia ou engenharia, mas projetos cuja multidisciplinaridade é fundamental. Não é um setor para especialistas exclusivos, mas sim para todos aqueles que saibam integrar, promover, estimular, criar um projeto funcional, transformando as dinâmicas de uma cidade em um processo inteligente.

Fonte: Jornal Ceiri





​CAMPINAS É A 2ª CIDADE MAIS INTELIGENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO, SEGUNDO O ESTUDO CONNECTED SMART CITIES 2017

​CAMPINAS É A 2ª CIDADE MAIS INTELIGENTE DO ESTADO DE SÃO PAULO, SEGUNDO O ESTUDO CONNECTED SMART CITIES 2017

​UBATUBA É A 27 ª NO QUESITO SEGURANÇA, SEGUNDO LEVANTAMENTO CIDADES INTELIGENTES

​UBATUBA É A 27 ª NO QUESITO SEGURANÇA, SEGUNDO LEVANTAMENTO CIDADES INTELIGENTES

​Uberaba sobe 26 posições no ranking de cidades inteligentes do Brasil

​Uberaba sobe 26 posições no ranking de cidades inteligentes do Brasil

​Guarulhos é destaque em evento sobre Cidades Inteligentes

​Guarulhos é destaque em evento sobre Cidades Inteligentes

​O custo humano trágico das novas megacidades da África

​O custo humano trágico das novas megacidades da África

​Congresso em São Paulo discute caminhos para inovação na indústria

​Congresso em São Paulo discute caminhos para inovação na indústria

​Londrina é convidada a integrar Clube de Cidades Sustentáveis em evento na China

​Londrina é convidada a integrar Clube de Cidades Sustentáveis em evento na China

​AMPARO ESTÁ EM 3º LUGAR ENTRE MUNICÍPIOS BRASILEIROS ANALISADOS PELA CONNECTED SMART CITIES

​AMPARO ESTÁ EM 3º LUGAR ENTRE MUNICÍPIOS BRASILEIROS ANALISADOS PELA CONNECTED SMART CITIES

​FIA Smart Cities: a cidade do futuro também é debatida na Fórmula E

​FIA Smart Cities: a cidade do futuro também é debatida na Fórmula E

​Rio Preto é a 32ª mais inteligente do Brasil

​Rio Preto é a 32ª mais inteligente do Brasil



Paginas ( 1 / 26 ) Próxima