Cidades modernas

Cidades modernas



Quatro conceitos, vindos de áreas de conhecimento diferentes, mas complementares, tentam batizar a visão moderna de cidades: a) Cidades sustentáveis – oriundo da área de meio ambiente, o conceito inclui temas como água, resíduos sólidos, energia, saneamento e poluição. E também saúde, educação, pobreza, mobilidade, base econômica e emprego;

b) Cidades criativas – oriundo da área de cultura, inclui no conceito atividades artísticas, indústrias culturais, turismo, ciência, tecnologia, universidades, software, design, moda, engenharia e arquitetura, entre outros. Esse conjunto produz uma efervescência cultural que atrai e retém talentos, promove diversidade social, gera empregos, aumenta o potencial criativo de empresas e instituições, atrai turistas e contribui para a economia da cidade e qualidade de vida;

c) Cidades inteligentes – o conceito aborda a utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) na gestão das cidades, incluindo transporte público, controle de tráfego, monitoramento ambiental, serviços de saúde, educação, segurança, defesa civil e serviços públicos em geral. Como aproveitar o fato de que a maioria dos cidadãos tem um smartphone podendo falar, reclamar, fiscalizar, postar nas redes sociais, propagar ideias em alta velocidade e com alcance enorme? Cidades inteligentes exigem uma infraestrutura digital, à semelhança das redes de água, luz, telefones e saneamento;

d) Cidades humanas – Jane Jacobs, urbanista e ativista social, defendeu um novo conceito de cidades em seu livro seminal “Morte e Vida de Grandes Cidades” (1961). Propôs a ideia de cidades integradas, densas e vivas contra a tendência da época de segregar funções como suposta visão modernista.

Defendeu a alta concentração de pessoas, valorização de esquinas e percursos, edifícios variados e de diferentes idades e menos viadutos e obras monumentais.

Cidades adensadas gastam menos energia, as pessoas andam mais a pé ou bicicleta, justificam o rateio por muitos dos custos de soluções em transportes e infraestrutura e há mais opções culturais. As novidades da economia compartilhada e veículos autônomos prometem uma revolução na mobilidade urbana.

Cidades criativas, sustentáveis e inteligentes contribuem para um ambiente mais humano e fortalecem o conceito de Work, Live and Play (trabalhar, viver e se divertir) onde se pode ter uma vida saudável, com todas as atividades no mesmo ambiente.

Nesse momento, empresários visionários de Vila Velha organizam movimento com a prefeitura para propor e implementar projetos na direção desses conceitos. Que tenham sucesso!

Fonte: Gazeta online





Cuiabá testa semáforos inteligentes

Cuiabá testa semáforos inteligentes

SAIBA QUAIS SÃO AS CIDADES COM A MELHOR QUALIDADE DE VIDA NO MUNDO

SAIBA QUAIS SÃO AS CIDADES COM A MELHOR QUALIDADE DE VIDA NO MUNDO

Como construir cidades inteligentes  e baratas

Como construir cidades inteligentes e baratas

Missão brasileira de Smart Cities ao Canadá acontece em maio

Missão brasileira de Smart Cities ao Canadá acontece em maio

Novos modelos de negócios para cidades inteligentes

Novos modelos de negócios para cidades inteligentes

Adoção de tecnologia no ensino ganha força

Adoção de tecnologia no ensino ganha força

Canais abertos devem negociar exibição com TV a cabo, determina Anatel

Canais abertos devem negociar exibição com TV a cabo, determina Anatel

Já conseguiu respirar fundo na sua rua, hoje?

Já conseguiu respirar fundo na sua rua, hoje?

Cidades inteligentes devem ter soberania tecnológica

Cidades inteligentes devem ter soberania tecnológica

Google lança programa de aceleração de startups no Brasil

Google lança programa de aceleração de startups no Brasil



Paginas ( 1 / 44 ) Próxima