O Shopping Center tradicional está para morrer (e vai nascer algo no lugar)

O Shopping Center tradicional está para morrer (e vai nascer algo no lugar)



Você provavelmente passou boa parte da sua vida visitando shopping centers. Cada vez mais presentes na vida das pessoas no Brasil (principalmente por causa do crescimento nas cidades do interior), nos Estados Unidos ele já é algo que está ficando “ultrapassado” – inclusive com a possibilidade de que 20% a 25% dos shoppings fechem nos próximos 5 anos, de acordo com um estudo da Credit Suisse.

Dos atuais 1.200 shoppings dos Estados Unidos, cerca de 300 fecharão, só nos próximos anos – dizimando empregos no setor de varejo. Grandes redes estão fechando milhares de lojas dentro de shoppings ou na rua por conta disso. Boa parte do varejo mundial está migrando para o e-commerce: enquanto o online cresce cerca de 14% a 15% por ano, o físico cresce 1 a 2%.

Mas ainda há um espaço gigantesco para o crescimento do varejo online, já que só 9% do varejo global se faz por computadores e smartphones. No momento, são US$ 2 trilhões movimentados eletronicamente em um mercado muito maior, de US$ 23 trilhões. Alguns setores já estão mais bem adaptados à internet do que outros. Apenas 7% dos alimentos são vendidos pela internet, enquanto livros e brinquedos os números chegam a quase 50%.

A tecnologia está engolindo o varejo tradicional: falaremos extensivamente do assunto na maior conferência sobre o assunto no Brasil, o Retail Tech Conference. Lá mostraremos as startups que estão remodelando o setor varejista do Brasil, seja aumentando a rentabilidade de lojas (online ou físicas), diminuindo custos e inventando novas formas mais efetivas para realizar vendas – e como isso pode beneficiar sua empresa. Confira aqui os palestrantes já confirmados e não perca a oportunidade.

Alternativa número 1: virar centro de logística
Uma das alternativas que podem ser “o futuro” dos atuais shoppings centers é que eles virem centros de logística – sim, você não leu errado. A Amazon tem comprado terrenos de shoppings fechados nos Estados Unidos para montar seus centros de distribuição.

Mas não é uma “ironia do destino”: são terrenos gigantescos, que suportam uma grande quantidade de produtos, localizados em regiões de fácil acesso (mas que também não são necessariamente no centro das cidades). Tudo que um centro de distribuição precisa.

E não acontece só com shoppings não: o Carrefour transformou uma de suas lojas em São Paulo em um enorme centro de distribuição de alimentos e outros produtos para seu e-commerce, uma plataforma cada vez mais “desejada” dentro do gigante do varejo francês.

Com isso, os terrenos antigos passam a alimentar o comércio eletrônico, que é mais prático para a maior parte dos usuários. E o papel dos antigos shoppings passa a ser atendido por lojas de rua (que estão em alta… mais a seguir no próximo intertítulo). Ou seja, parte dos shoppings deverão morrer com o crescimento do e-commerce. Ponto. Finito.

Um ponto válido de destacar é que muitas das lojas físicas que existem são apenas “marginalmente rentáveis” e qualquer coisa que lhes afeta (o crescimento do e-commerce) acaba com suas rentabilidades e elas precisam fechar – mas isso não acaba com todas as “oportunidades” daquela rede. É mais um jogo para “maximizar ativos” do que necessariamente o fim do comércio.

A rede Macy’s, por exemplo, fechou centenas de lojas – mas 60% das fechadas, cuja rentabilidade não é mais atraente, estão próximas de outras lojas da Macy’s. Quem tinha o costume de ir em uma loja consegue ir na outra também. Com o crescimento das vendas online, é necessário menos pontos físicos – isso é um fato.

Alternativa número 2: o “novo shopping”
Só que as pessoas continuam gostando de ir em shoppings. É uma experiência gostosa para a maioria das pessoas: andar entre as lojas, ver o que você quer comprar (mas não sabia), visitar o cinema, comer em um restaurante gosto… enfim, uma vista ao shopping pode ser uma experiência bacana. “Os melhores shoppings continuam a ter uma boa performance, e os que não estão tão bem vão evoluir”, destaca Kathy Elsesser, co-diretora de varejo e consumo global do Goldman Sachs.

Bons shoppings são os que são capazes de fazer essa experiência ser interessante, enquanto shoppings ruins são aqueles focados excessivamente em lojas. “As pessoas gastam agora em viagens, restaurantes, mídia, entretenimento e acomodação ao invés de bens de consumo pessoais, como no passado. Para os shoppings, isso significa mais cinemas, mais restaurantes e mais oportunidades baseadas em experiências”, diz Kathy.

Transformar o espaço do shopping em um ambiente de convívio é cada vez mais uma prioridade para as empresas que gerenciam esses espaços – principalmente para atrair a geração millenial, que passa a ser a maior parcela de consumidores.  Isso significa que os ambientes estão com a tendência de ser cada vez mais híbridos: diga adeus ao shopping que é só shopping e da oi para os ambientes que incluem moradias e espaço de escritório.

É o que muitos complexos fazem aqui no Brasil. Torres de escritórios (ou residenciais) em um grande local, parecido com o JK Iguatemi, que possui vários espaços para que as pessoas trabalhem – e, por acaso, possam ir gastar suas horas de almoço no shopping.

Um dos melhores exemplos, porém, é o Easton Town Center, no subúrbio de Columbus, Ohio, Estados Unidos. É uma comunidade “completa”, com tudo que se faz necessário – casas, escritórios, locais de compra – e que simula o centro de uma cidade. Cria-se um ambiente denso para que as pessoas trabalhem e vivam, consumindo o que lhes for necessário em distâncias andáveis. Um shopping a céu aberto – e muito mais próximo do que o inventor do shopping desejava.

Fonte: Startse





Japão recruta empresas como a Uber e Boeing para construir carros voadores

Japão recruta empresas como a Uber e Boeing para construir carros voadores

Metodologia para implantação de Cidades Inteligentes e Humanas é tema de dissertação do Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Inovação da UFRN

Metodologia para implantação de Cidades Inteligentes e Humanas é tema de dissertação do Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Inovação da UFRN

Apple quer revolucionar interface de iPhones em 2019 com tecnologia presente no Lumia McLaren

Apple quer revolucionar interface de iPhones em 2019 com tecnologia presente no Lumia McLaren

POR QUE CIDADES INTELIGENTES PRECISAM DE ECOSSISTEMAS DE INOVAÇÃO?

POR QUE CIDADES INTELIGENTES PRECISAM DE ECOSSISTEMAS DE INOVAÇÃO?

T-Systems Brasil apresenta sua visão de cidade inteligente

T-Systems Brasil apresenta sua visão de cidade inteligente

Plataforma YouShip: a Uber das encomendas para uma entrega mais eficiente

Plataforma YouShip: a Uber das encomendas para uma entrega mais eficiente

Secretário de Planejamento conhece projeto de “Cidade Inteligente” na França

Secretário de Planejamento conhece projeto de “Cidade Inteligente” na França

O que podemos aprender com as três gerações de Cidades Inteligentes

O que podemos aprender com as três gerações de Cidades Inteligentes

Alibaba compra empresa chinesa para investir em nuvem e internet das coisas

Alibaba compra empresa chinesa para investir em nuvem e internet das coisas

Para avaliar hábitos perigosos no trânsito, seguradora usa app com telemetria

Para avaliar hábitos perigosos no trânsito, seguradora usa app com telemetria



Paginas ( 1 / 46 ) Próxima