Adoção de tecnologia no ensino ganha força

Adoção de tecnologia no ensino ganha força



A tecnologia permeia a educação há algum tempo, mas nos últimos meses esta parceria deu um salto evolutivo. Recentemente, por exemplo, a Apple anunciou, depois de muitos anos longe do tema, um hardware específico para o setor educacional. O novo iPad, que compete com laptops Google Chromebooks  - já bastante populares em escolas -, também ganhou uma ferramenta de peso, a Schoolwork, que ajuda professores a distribuírem trabalhos e monitorarem o progresso dos alunos.

A Apple ainda criou o Classkit, uma API que permite que desenvolvedores criem aplicativos que se integrem ao serviço Schoolwork. A ideia é que estas ferramentas sirvam como base para impulsionar trabalhos que visem colocar a tecnologia como aliada no processo de ensino e aprendizagem. E se grandes empresas estão apostando no segmento é porque a demanda vem aumentado bastante.

Aqui no Brasil alguns projetos neste sentido também ganham força, o Educash é um deles. O game, desenvolvido pela startup Educar 3.0, ensina educação financeira para crianças de 9 a 12 anos e já foi testado em cerca de 60 escolas. “Os alunos jogam e os professores acompanham os processos de educação. O game traz experiência de resolução de problemas e dinâmicas que ensinam finanças e economia”, conta Flavio Ramos, diretor de operações e mercado da empresa.

Segundo o diretor, a startup está firmando parceria com a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, além de empresas privadas que podem distribuir os jogos em diversas escolas. Com isso, a ideia é atingir cerca de 1 mil instituições nos próximos três anos. Além disso, um parceiro na Finlândia deve colaborar para que a startup atenda mais de 15 mil escolas fora do Brasil.

“Pesquisas realizadas em diversas áreas como psicologia, neurociência e economia mostram que o desempenho cognitivo do aluno é beneficiado quando há ampliação da aprendizagem”, explica Flávio.

Já o Colégio Prudente de Moraes, de Salto, município do Estado de São Paulo, adotou em 2015 uma metodologia, chamada de Sala de Aula Invertida, criada pelos professores norte-americanos, Jonathan Bergmann e Aron Sams, em que os alunos têm autonomia para estudar os conteúdos das aulas antecipadamente em casa por meio de material digital fornecido pela escola, como vídeo aulas e até games.

Em 2016, o colégio implementou ferramentas do Google for Education capacitou sua equipe de professores e coordenadoras e adquiriu chromebooks para serem utilizados em sala de aula. E em 2018, o investimento aconteceu na reformulação da Sala de Informática para transforma-la em sala de Ensino Híbrido.

“Se os educadores souberem combinar as atividades lúdicas com os recursos tecnológicos, as aulas não se tornarão rotineiras e maçantes, mas despertarão nos alunos o interesse pelo conteúdo das matérias, mesmo daquelas consideradas mais “antipáticas”, facilitando enormemente o aprendizado da garotada e desenvolvendo nela o gosto pelos estudos”, explicou Ana Paula Barros de Paiva, orientadora educacional na área de Informática Educacional na empresa Planeta Educação, em artigo para o Canaltech.

Fonte: Canal tech





Cuiabá testa semáforos inteligentes

Cuiabá testa semáforos inteligentes

SAIBA QUAIS SÃO AS CIDADES COM A MELHOR QUALIDADE DE VIDA NO MUNDO

SAIBA QUAIS SÃO AS CIDADES COM A MELHOR QUALIDADE DE VIDA NO MUNDO

Como construir cidades inteligentes  e baratas

Como construir cidades inteligentes e baratas

Missão brasileira de Smart Cities ao Canadá acontece em maio

Missão brasileira de Smart Cities ao Canadá acontece em maio

Novos modelos de negócios para cidades inteligentes

Novos modelos de negócios para cidades inteligentes

Adoção de tecnologia no ensino ganha força

Adoção de tecnologia no ensino ganha força

Canais abertos devem negociar exibição com TV a cabo, determina Anatel

Canais abertos devem negociar exibição com TV a cabo, determina Anatel

Já conseguiu respirar fundo na sua rua, hoje?

Já conseguiu respirar fundo na sua rua, hoje?

Cidades inteligentes devem ter soberania tecnológica

Cidades inteligentes devem ter soberania tecnológica

Google lança programa de aceleração de startups no Brasil

Google lança programa de aceleração de startups no Brasil



Paginas ( 1 / 44 ) Próxima