O QUE SÃO A REDE E O INSTITUTO?


A Rede Brasileira de Cidades Inteligentes e Humanas (RBCIH) foi criada em 2013, no âmbito da Frente Nacional de Prefeitos – que congrega as 420 maiores cidades brasileiras – e reunia somente secretários e dirigentes municipais de ciência, tecnologia e inovação, bem como secretários municipais de desenvolvimento econômico.
 
No ano de 2016, constituímos a Frente Parlamentar Mista em Apoio às Cidades Inteligentes e Humanas, no Congresso Nacional, e estamos discutindo, desde então, os avanços necessários em termos de legislação, para que se possa facilitar o desenvolvimento das cidades como Humanas, Inteligentes, Criativas e Sustentáveis.
 
Em 2017, após um forte crescimento nacional e com a entrada de pesquisadores das principais universidades brasileiras, bem como de entidades da sociedade civil, foi criado o Instituto Brasileiro de Cidades Inteligentes, Humanas e Sustentáveis (IBCIHS) que atualmente é a instituição que abriga a RBCIH.
 
O IBCIHS é uma instituição que faz parte do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia da Presidência da República e tem atuado também junto ao Governo Federal, nas políticas nacionais para o desenvolvimento de cidades humanas, inteligentes, criativas e sustentáveis.
 
A fim de criar um conceito comum para todo o Brasil, e com características que fossem bem brasileiras sobre o tema, o IBCIHS reuniu membros das universidades e de setores da iniciativa privada para escrever um documento intitulado: Brasil 2030: Cidades Inteligentes e Humanas”, que tem norteado nossas ações em todo o País. Foi a partir desse documento que as nossas instituições parceiras do setor acadêmico e da iniciativa privada passaram a fazer parte da Rede.
 
Esse documento está sempre aberto para revisões, tendo em vista a evolução do tema ao longo dos anos, e no ano de 2018 nós estabelecemos um conceito definitivo. Para que se possa desenvolver as cidades em todas as suas dimensões e camadas, criamos o conceito de CHICS - Cidades Humanas, Inteligentes, Criativas e Sustentáveis que trabalha as cidades em cinco camadas: as pessoas, o subsolo, o solo, a infraestrutura tecnológica, e as plataformas: IoT (Internet das Coisas), Inteligência Artificial e Blockchain. Além disso, trabalha a cidade em sete dimensões: governança inteligente; pessoas inteligentes; ambiente inteligente; mobilidade inteligente; vida inteligente; economia inteligente; e financiamento inteligente.
 
Para que isso tudo se torne possível, desenvolvemos um Plano Mestre de CHICS, que define em cada cidade a sua estratégia de curto, médio e longo prazos, e para operacionalizar esse Plano Mestre, desenvolvemos uma plataforma chamada NASCIH - Núcleo de Ativação e de Sustentabilidade das CHICS.
 
O IBCIHS lançou um livro que explana com detalhes todas essas questões e que é a “bíblia” daqueles que se filiam e atuam em nome do Instituto Brasileiro de Cidades Humanas, Inteligentes, Criativas e Sustentáveis e da Rede Brasileira de Cidades Inteligentes e Humanas.
 
Devido à evolução do tema ao longo dos anos, muito bem explicada no livro, é que os nomes foram sendo ampliados. Começamos como Rede Brasileira de Cidades Inteligentes e Humanas, depois quando o Instituto foi criado, a palavra Sustentáveis foi incorporada e atualmente, com a implantação de projetos em todo o Brasil, incluímos a palavra Criativas, formando então o conceito CHICS - Cidades Humanas, Inteligentes, Criativas e Sustentáveis.
 
O conceito de CHICS que a Rede e o Instituto trabalham é:
 
”Uma Cidade Humana, Inteligente, Criativa e Sustentável (CHICS) é aquela que faz uma gestão integrada, integral, sistêmica e transversal de suas cinco camadas: as pessoas; o subsolo; o solo; a infraestrutura tecnológica; e as plataformas: Internet das coisas, Inteligência Artificial e Blockchain, construindo uma cidade boa para viver, para estudar, para trabalhar, para investir e para visitar, de forma sustentável, criativa e com alta qualidade de vida.” (IBCIHS, 2018) 
 
As CHICS adotam as seis dimensões definidas por Giffinger et al. (2007), e que são: A governança inteligente; pessoas inteligentes; ambiente inteligente; mobilidade inteligente; vida inteligente; economia inteligente; e uma sétima dimensão acrescida pelo IBCIHS, que é o financiamento inteligente.  
 
As CHICS utilizam as tecnologias da informação e da comunicação (TIC), a Internet das Coisas (IoT), a Inteligência Artificial (IA) e a Blockchain (Bcn) como meio para ter eficiência e eficácia na gestão. Ela se organiza, planeja, e executa ações, estabelecendo sistemas entre governo, empresas, academia, ONGs e comunidade, que interagem de forma coletiva, utilizando a criatividade social, econômica, cultural e política de forma inteligente, tendo como finalidade a melhora da qualidade de vida e o aumento da FIB (Felicidade Interna Bruta) de sua população. 
 
AS CHICS operam sua gestão baseadas em dados e informações confiáveis, transparentes, e que garantam projetos sustentáveis ambientalmente e também sustentáveis ao longo do tempo.
 
A utilização de todo esse arcabouço na gestão, para captar e tratar a grande quantidade de dados (Big Data) gerados é um instrumento fundamental para o desenvolvimento de uma gestão inteligente e que leve à transformação da infraestrutura e da ambiência urbana.